Instituição

  • História
  • Missão, Visão e Valores
  • Organograma
  • Órgãos Sociais
  • Documentos Institucionais

A Instituição abriu as portas em 1 de Maio de 1985. Durante os primeiros 8 anos, o Centro Social Paroquial de Baguim apenas teve ativo o serviço de Centro de Dia. Mais tarde, em Julho de 1993 foi inaugurado e implementado o Lar para idosos e o Serviço de Apoio Domiciliário.

A construção do CSPB foi possível com a contribuição da comunidade local. A comunidade de Baguim do Monte, imbuída de forte espírito solidário, organizou um conjunto de ações de angariação de fundos para a construção do edifício. O esforço conjunto da população de Baguim, da Fábrica da Igreja e do seu Pároco levou a que se criasse esta Instituição de Solidariedade Social.  

O Centro prossegue o bem público eclesial na sua área de intervenção, de acordo com as normas da Igreja Católica, e tem como fins a promoção da caridade cristã, da cultura, educação e a integração comunitária e social, na perspetiva dos valores do Evangelho, de todos os habitantes da comunidade onde está situado, especialmente dos mais pobres.

O Centro, na prossecução dos seus fins, deverá orientar a sua ação sócio caritativa à luz da Doutrina Social da Igreja tendo em conta, entre outros, os seguintes princípios inspiradores e objetivos:

 

  1. A natureza unitária da pessoa humana e o respeito pela sua dignidade;
  2. O aperfeiçoamento cultural, espiritual, social e moral de todos os paroquianos;
  3. A promoção integral de todos os habitantes da Paróquia, num espírito de solidariedade humana, cristã e social;
  4. A promoção de um espírito de integração comunitária de modo a que a população e os seus diversos grupos se tornem promotores da sua própria valorização;
  5. O espírito de convivência e de solidariedade social como fator decisivo de trabalho comum, tendente à valorização integral dos indivíduos, das famílias e demais agrupamentos da comunidade paroquial;
  6. O desenvolvimento do sentido de solidariedade e da criação de estruturas de partilha de bens;
  7. A realização de um serviço da iniciativa da comunidade cristã, devendo assim proporcionar, com respeito pela liberdade de consciência, formação cristã aos seus beneficiários e não permitir qualquer atividade que se oponha aos princípios cristãos;
  8. Um incentivo do espírito de convivência humana como fator decisivo do trabalho em comum tendente à valorização integral das pessoas e das famílias;
  9. A prioridade à proteção das pessoas mais pobres e desfavorecidas ou atingidas por calamidades, mobilizando para tal os recursos humanos e materiais necessários à criação e manutenção de estruturas de apoio às famílias ou a determinados sectores da população, como aos idosos, aos jovens e às crianças;
  10. A resposta possível a todas as formas de pobreza, exercendo assim a sua finalidade sócio caritativa;
  11. Os benefícios da cooperação com os grupos permanentes ou ocasionais que, no âmbito local ou regional, se ocupem da promoção, assistência e melhoria da vida das populações;
  12. A utilidade de recurso a grupos de trabalho tecnicamente preparados e devidamente qualificados;
  13. O seguimento, na sua atividade, os princípios católicos e não aceitar compromissos que de alguma forma condicionem a observância destes princípios;
  14. O contributo para a solução dos problemas sociais, à luz da doutrina social da Igreja;
  15. A participação na ação social de toda a comunidade paroquial, em estreita cooperação com outras instituições e grupos de ação social e com a entreajuda cristã de proximidade;
  16. A escolha dos seus próprios agentes (funcionários, trabalhadores, colaboradores, auxiliares) de entre as pessoas que partilhem, ou pelo menos respeitem, a identidade católica das obras de caridade;
  17. A procura em evitar financiamentos ou contribuições por entidades ou instituições que prossigam fins em contraste com a doutrina da Igreja;
  18. A aceitação da coordenação do Bispo diocesano em compatibilidade com a sua autonomia jurídica de acordo com os Estatutos.
Não existe conteúdo para apresentar...

Direção:

  • Presidente: Pe. Lucindo António dos Santos Silva  
  • Vice-Presidente: Manuel Pinto Teixeira 
  • Secretário:  Margarida Rosa da Silva Almeida 
  • Tesoureiro: Maria Goreti de Jesus Gomes
  • Vogal: Serafim Vieira Ferraz

      

Conselho Fiscal:

  • Presidente: Manuel Arnaldo Peneda Ferreira Santos 
  • Secretário: José Maria Barreiro Lucas
  • Vogal: João António Rodrigues Mendonça

               

Consultar : AQUI.

Este website usa cookies para melhorar a experiência do utilizador. Ao continuar a utilizar o website, assumimos que concorda com o uso de cookies. Aceito Ler Mais